29 de abr de 2013

Easter Egg (ou seja, falha de usabilidade) do Gnome Classic

Isso eu me obriguei a vir aqui escrever:

Passei agora em torno de 10min tentando descobrir como fazer para remover um item do painel, lá em cima da tela, do "Gnome Classic". Depois de tentar arrastar, apertar com o botão direito em tudo que é lugar e me cansar procurando por menus que me permitissem editar o painel, fui procurar no Google como retiraria aquela droga (o meu problema é que eu tinha posto duas vezes o atalho pro Chrome no painel).

Finalmente, achei esse link. Sério? Alt+Super+botão direito?

Pior é que funcionou! Nem acreditei quando vi.

R$

22 de abr de 2013

De raiva, sem sono

4h30 da manhã e eu acordado.
Meu irmão bem roncando, desgraça! Viado!
Diabo é o mosquito, que tão pequenito
me enerva, me assola, ô bicho maldito!

E assim vou ficando, sem poder dormir.
Se acordo agora, então vou cair
no bus, na escola, na aula, em frente
ao professor descrente de que tão facilmente
meu sono -- que em meio à sua companhia
se mostra sem freio [pra minha agonia] --
eu perca (ou nem ache) pra minha aflição,
até mesmo quando sem causa ou razão. 

Até que a minha produção "criativa" tá decente (pra minha opinião, ao menos), e eu acabei fazendo mais esse poema, por falta de sono, hoje, pela madrugada. Meu irmão, roncando, barulhento... e eu morrendo de calor, não podendo me destapar, por causa de um mosquito que me sobrevoava a orelha com freqüência infernal.

Bem, vou pra aula que hoje quero chegar cedo...

R$

21 de abr de 2013

Teste-Poema

Monto agora um poema
com um algoritmo um tanto
estranho! É um esquema:
em cada verso que canto,
ao fim de cada lema,
procuro, de um certo espanto,
com "anto" ou "ema" o tema
(deste poema o emblema)
delinear; e me encanto
que pra resolver o problema
bastou um macete santo:
criei uma lista suprema,
com "quanto", "manto", "acalanto",
"efizema", "ipanema", "itapema",
e pensando esforcei-me enquanto
resolvia o maldito dilema
(até que difícil, no entanto)
de montar este teste-poema.


--
Queria provar pra mim mesmo que não era tão difícil montar um poema com rimas de "anto". Enquanto ouvindo Chico Buarque, comecei a perceber que ele sempre rimas as mesmas coisas com "anto"... tanto que resolvi testar-me um pouco e fazer o mesmo. Os "ema" foram só pra rimar com o "poema"... e no fim foi mais fácil achar rimas pra "ema" do que pra "anto".

Lol... tomara que isso agrade n_n

R$

Bobagem política

Eu li isso hoje e, na necessidade de compartilhar essa bobagem, resolvi postar aqui

Nossa... teoria da conspiração das mais forçadas... HUEAHEUHAUEHA

R$

17 de abr de 2013

Poema na Madrugada

Só pra não deixar morrer no esquecimento essa pequena "pérola" (porque se eu não me elogiar, quem é que o fará?) que saiu na noite de domingo pra segunda enquanto eu fazia o monte de coisas que tenho que fazer:


Extremamente cansado,
totalmente ligado...

Algo de que o café
(sabe como é)
só pode ser culpado.

É verdade, porém
que o réu também cúmplices tem:
e à cabeça agora me vem
chocolate, maçã e mate.

E pra terminar esse poema
vou-me dormir que pra amanhã tem tema.



Fiz uma única pequena mudança na posição da palavra "só", que no poema original dava o sentido de que "somente o café poderia ser culpado" (enquanto logo depois eu dizia que havia cúmplices u.u). Tomara que a alguém isso agrade n_N

R$