21 de fev de 2016

Poemas no blog [6]

[English version below]

Duns tempos pra cá, eu venho escrevendo poemas até que com uma certa freqüência. Tem sido um bom escape pra tensão das provas e trabalhos que se aproximam (o problema é que eu tenho "escapado" demais e produzido de menos). Hoje eu ocasionalmente me "inspirei" com o tema "ser adulto" e escrevi isso aí debaixo. Tomara que a alguém agrade =)


Adulto

O tempo vai passando... com ele, a gente,
sem dúvida que, quando, no porvir,
nem mais banal, nem mais adolescente
for, já seguro então vai se sentir.

Um dia então percebe estranhamente,
que adulto o é, porém, sem perceber-
se diferente do seu eu recente.
Entende: terminou-se o adolescer.

Mas aonde foi aquela segurança
que os pais passavam quando era criança,
que víamos adultos sempre ter?

Parece que não é como se pensa,
que à diferença adulto não pertença
... ou o é e eu que adulto ainda não sei ser?


--
[Versão em Português acima]

Since some time ago, I've been writing poems with a certain frequency. It's been a good escape (escape way?) for the tension of the exams and works that are coming soon (the problem is that I've been "escaping" too much and producing too less). Today I occasionally got "inspired" with the theme "to be an adult" and wrote this thing. I hope you like =)

[ok ok... again... it is a poem, with metrics and rhymes. It is virtually impossible for me to translate it to English without breaking everything. I won't even try. But don't get disappointed... soon I write some content that makes sense in English :v]

7 de fev de 2016

Poemas no blog [5]

[English version below]

Um amigo me tinha pedido pra voltar a escrever poemas por aqui. A procrastinação falou alto, e eu acabei fazendo-o.




Atalho

Sem paz, permanece o menino,
em vão, nem insano nem são.
Sem ânimo ou fé, pequenino,
sem mimo, ao relento, sem chão.

Com tantas perguntas em mente,
confuso, ao léu, sem resposta.
Bem mal, no momento, se sente,
no tempo está sua aposta.

Não sabe se aquilo que vê
entende de forma correta;
lhe cabe, compreende, escolher

(assim desistente sem meta)
sozinho o caminho a correr.
Melhor já se sente, poeta.


--

[Portuguese version above]

A friend had asked me to start again writing poems in my blog. The procrastination was strong and I ended up doing it. Unfortunately, I write in Portuguese, and I simply can't see how to even start to translate it into English without breaking everything. Sorry to the foreigners =/

4 de fev de 2016

On Problems / Sobre Problemas

[Versão em Português abaixo]

So... my hair is really long. It has been 1 year and 6 months now that I don't cut it. Funnily, many people say I look like Jesus (even people from other religions -- I will come back to this by the end of this post) and make jokes about me multiplying breads, and transforming water into wine. At some point, I realized too much of it has been falling. Besides, I don't like the current appearance: the hair seems always "broken". I have been trying to ask different people for ways to make it look better, but keep receiving conflicting information. So... well... I must say: somehow, I am frustrated with this "problem". When talking about it this week, someone told a sentence similar to "if this is the kind of problems you have been struggling with, then your life must be pretty easy lately".

In other moments, I'd probably just agree and ignore. I never cared about my appearance (reason why I always changed it a lot), and it would be just the obvious conclusion to draw. But this time this sentence made me think. But why? Probably because I actually have cared (at least a little) about it lately. Is my life that easy? Is it somehow different than it has ever been?

I always tend to think, when talking about different "levels" of problems, of the Maslow pyramid. Once, in a discussion about why european countries tended to give more value to humanities than poorer countries (like Brazil, in my case), a friend suggested that maybe their people (i.e., the europeans) were generally in a higher "level" of the Maslow pyramid. So, while we were still giving a lot of importance to money so that we could eat (giving importance to jobs that would earn more money, and not necessarily doing what we actually love), they, having food, would focus more on "what gives them meaning".


In fact, I could easily say that I always struggled with the "Love/Belonging" part of the pyramid. Despite being always surrounded by friends and family, I always had a serious difficulty on feeling "part" of the groups I was in. But I'd say this has been improving... and I nowadays could even say I have been finally developing some "okayer" self-esteem (which, well, any close friend would know I never had). Maybe this is a kind of problem that is completely different, after all. But is it in any way "worse" than the problems of people below the pyramid?

I always see (in 9gag, for example) lots of people complaining that women's problems (those that appear in stereotypical comics comparing women and men) are dumb problems, like "hair", "nails" or "being fat". Also, I always heard of couples that fight over petty things like "wet towel over the bed" or "the way they press the toothpaste". I think, somehow, that often what matters is not the problem, but how much someone cares about it

We often tend to dismiss other people's problems because they are not as important to us as they are to them. I always remember of my grandma, who used to put garlic in the lunch that my mom would eat, even though she knew that my mom would feel bad the whole afternoon because of it. For the grandma, mom was just being fussy (though she was already an adult); for mom, it was a serious problem.

People tend to give more importance to problems that are physical (like my mom feeling her stomach the whole afternoon for eating garlic, or someone having back pain) than to psychological ones. However, those guys of the Cognitive Sciences already know for some years that, e.g., feeling rejected activates the same areas of your brain as those "activated when you're burned by hot coffee". So if someone (me! This explains a lot how I often feel) is anxious and can't stop thinking about something, asking him if he has ever tried not to think won't help =/

Obviously, there should be (and I don't see how to impose) limits. If a person feels all the time threatened by some problem only he (or some of his group) sees in society, then this person probably needs help (i.e., it is probably not that society should change). I had followed for a while some discussions about safe spaces and trigger warnings in the USA, but at some point time was short and had to stop. For what is worth, I think that if a person needs trigger warnings for pretty much anything, or can't stand, for example, the usage words like violate in contexts completely unrelated to rape (like violate the law), then the person needs help!

Back to me... in previous times, I'd feel ridiculous for the kinds of problems I care about. I felt highly ashamed of them (while other people are hungry in Africa, I used to tell myself), but as my self-esteem has improved (as the result of a long process... finally leveling up in that Maslow pyramid), I started thinking about them as genuine problems, as things that I need to solve if I want to become a better person.

"A better person", in fact, can mean a lot of things. One thing I have difficulties to accept is duplicity of judgement -- reason why I hate so much lots of progressive groups that often hold that the exact same behaviors performed by different individuals are different things. I really liked the following video:



And this is where the hair/Jesus thing comes back: I keep asking myself (though I don't have major problems with it)... would those who make these kinds of jokes be willing to accept the same jokes with prominent elements of other religions? I actually am not fully sure about it. All of this thinking about problems made me start to believe that probably (and actually quite obviously, but in this context I think it makes sense to put it in words) the reason why speaking about elements of other religions is easier is that, after all, we care less about them. This explains why the same progressive groups above often have no respect by what is sacred for some... though, truly, I must say religion also often doesn't help with their causes, giving very less credit for feminism, for example. But well... this is something I don't have any strong opinion about (and I think I should stop here).




[basically... I decided to post this to see if it would help me to feel better about something I've been thinking about. Don't think it worked, but I liked the resulting post]

R$


--
[English version above]

Então... o meu cabelo tá realmente longo. Já tem 1 ano e 6 meses que eu não o corto. É engraçado que muita gente diz que eu pareço Jesus (mesmo gente de outras religiões -- voltarei a isso ao fim da postagem) e faz piada sobre mim multiplicando pães, e transformando água em vinho. Em algum ponto, me liguei que tá caindo muito cabelo. Também, eu não gosto da aparência atual: o cabelo parece sempre "quebrado". Eu venho tentando perguntar pra diferentes pessoas por formas de fazer o cabelo parecer melhor; mas fico recebendo informação conflitante. Então... bem... devo dizer: de certa forma, estou frustrado com esse "problema". Quando conversando sobre isso essa semana, alguém me largou algo como "se esse é o tipo de problema que tu tem tido, então tua vida deve estar bem fácil ultimamente".

Em outros momentos, eu provavelmente apenas concordaria e ignoraria. Eu nunca me importei com minha aparência (razão pela qual eu sempre a mudei affuuuu), e essa seria simplesmente a conclusão óbvia a se chegar. Mas dessa vez essa frame me fez pensar. Mas por quê? Provavelmente porque eu na verdade (pelo menos um pouco) tenho me importado com isso. É a minha vida tão fácil? Tem ela sido de alguma forma diferente do que sempre foi?

Eu sempre tendo a pensar, quando falando de "níveis" de problemas, sobre a pirâmide de Maslow. Uma vez, numa discussão sobre por que os países europeus tendiam a dar mais valor às humanidades do que países mais pobres (como Brasil, no meu caso), uma amiga sugeriu que talvez as suas pessoas (i.e., os europeus) tivessem geralmente num "nível" mais alto da pirâmide de Maslow. Por isso, enquanto nós estávamos ainda dando um monte de importância pra dinheiro pra conseguirmos comer (dando importância a empregos que nos permitiriam ganhar mais dinheiro, e não necessariamente fazendo aquilo que amamos), eles, tendo comida, focariam mais "naquilo que lhes dá significado".



De fato, eu poderia facilmente dizer que eu sempre tive problemas com a parte "Amor/Pertencimento" da pirâmide. Apesar de estar sempre rodeado de amigos e família, eu sempre tive sérias dificuldades em me sentir "parte" dos grupos nos quais estive. Mas diria que isso tem melhorado... e eu hoje em dia poderia até mesmo dizer que tenho finalmente desenvolvido uma auto-estima "mais ok" (a qual, bem, qualquer amigo próximo saberia que eu nunca tive). Talvez aquele seja um problema completamente diferente, no fim das contas. Mas é ele de qualquer forma "pior" do que os problemas das pessoas mais abaixo da pirâmide?

Eu sempre vejo (no 9gag, por exemplo) muitas pessoas reclamando de como problemas de mulher (aqueles que aparecem em tirinhas estereotipadas comparando mulheres e homens) são problemas burros, tipo "cabelo", "unhas" ou "estar gorda". Também, eu sempre ouvi falar de casais que brigam por causa de coisas insignificantes como "toalha molhada em cima da cama" ou "a forma como se aperta a pasta de dente". Eu acho, de alguma forma, que frequentemente o que importa não é o problema, mas o quanto alguém se importa com ele.

A gente frequentemente tende a desprezar os problemas das outras pessoas porque eles não são tão importantes pra nós quanto são pra elas. Eu sempre lembro da minha vó, que colocava alho no almoço que a minha mãe comeria, apesar de saber que minha mãe passaria mal a tarde inteira por isso. Pra vó, a mãe tava sendo fresca; pra mãe, esse era um problema sério.

Pessoas tendem a dar mais importância pra problemas físicos (tipo minha mãe sentindo o seu estômago a tarde inteira, ou alguém com dor nas costas) do que pra problemas psicológicos. Porém, não é de hoje que os caras das Ciências Cognitivas sabem que, e..g., se sentir rejeitado ativa as mesmas áreas do cérebro que aquelas ativadas quando se é queimado por café. Assim, se alguém (eu! Isso explica bem como eu frequentemente me sinto) é ansioso e não consegue parar de pensar em algo, perguntar se ele já tentou simplesmente não pensar no assunto não vai ajudar =/

Obviamente, precisa haver (e eu não sei como impor) limites. Se uma pessoa se sente todo o tempo ameaçada por algum problema que só ela (ou alguns do seu grupo) vê na sociedade, então essa pessoa provavelmente precise de ajude (i.e., provavelmente não seja a sociedade que tenha que mudar). Eu segui por um tempo alguma discussão sobre safe spaces e trigger warnings [1] nos EUA, mas em algum momento o tempo ficou curto e tive que parar. O importante é que eu pens que se uma pessoa precisa de trigger warnings pra qualquer coisa, ou não aguenta nem, por exemplo, o uso da palavra violar em contextos completamente não relacionados a estupro (como violar a lei), então a pessoa precisa de ajuda!

De volta a mim... em tempos anteriores, eu me sentiria ridículo pelos tipos de problemas com que eu me importava. Eu me sentia fortemente veshado por eles (enquanto outros estão com fome na África, eu dizia pra mim mesmo), mas conforme a minha auto-estima vem melhorando (como o resultado de um longo processo... finalmente subindo de level naquela pirâmide do Maslow), eu passei a pensar sobre eles como problemas genuínos, como coisas que eu preciso resolver se quero me tornar uma pessoa melhor.

"Uma pessoa melhor", de fato, pode significar um monte de coisas. Uma coisa que eu tenho dificuldades pra aceitar é duplicidade de julgamentos -- razão pela qual eu odeio tanto muitos movementos progressistas que defendem frequentemente que os exatos mesmos comportamentos, quando executado por indivíduos diferentes, são na verdade coisas diferentes. Eu realmente gostei do video a seguir:



E aqui é onde eu volto às piadas com cabelo/Jesus: eu permaneço me perguntando (apesar de não ter maiores problemas com isso)... estariam aqueles que fazem essas piadas dispostos a aceitar as mesmas piadas com elementos fundamentais de outras religiões? Eu realmente não tenho total certeza sobre isso. Todo esse pensamento sobre problemas me fez começar a acreditar que provavelmente (e na verdade bem obvialmente, apesar de nesse contexto eu achar que faça sentido pô-lo em palavras) a razão por que falar sobre elementos de outras religiões é mais fácil é que, afinal, a gente se importa menos com elas. Isso explica por que os mesmos grupos progressistas acima frequentemente não tem respeito algum com o que é sagrado pra alguns... apesar de que, na real, devo dizer que a religião também frequentemente não ajuda com suas causas, dando quase nenhum crédito ao feminismo por exemplo. Mas bem... isso é algo sobre que eu não tenho uma opinião forte (e eu acho que eu deveria parar por aqui).

[basicamente... eu decidi postar isso pra ver se me ajudaria a me sentir melhor com algo sobre que eu venho pensando muito ultimamente. Não acho que funcionou, mas gostei da postagem]

[1] Explicando de forma bem "livre", Safe spaces são uns lugares onde as pessoas podem estar seguras de que não serão triggered por nada. Ser triggered é ter algum "desconforto" por lembrar ou ouvir ou sentir algo relacionado a algum trauma que a pessoa tenha. Trigger warning, daí, é um aviso de que algo pode causar esse tipo de desconforto.

R$