13 de jul de 2014

Política -- Minha impressão sobre os movimentos sociais

Eu quis agora escrever sobre como eu acho extremamente idiossincráticos os movimentos sociais e sobre como eles frequentemente fazem/dizem coisas contradizentes o tempo todo. Eu quis escrever sobre como eles esperam respeito, mas vivem desrespeitando, partindo da idéia de que a classe "majoritária" não precisa ser respeitada (afinal, ela é a classe "opressora").

Eu quis escrever sobre como eles frequentemente reclamam de falta de "liberdade de expressão", censura, ou coisa do gênero, mas frequentemente tentam impedir alguém de se expressar. E ainda quis escrever sobre como adoram incitar a violência àqueles de quem não gostam, mas acham um absurdo quando ela lhes é empregada.

Mas eu percebo que me falta ainda assentar melhor as idéias: talvez eu precise conversar com alguém que tenha lido Marx ou mesmo lê-lo (eu só li o manifesto comunista) pra poder entender suas motivações, ou talvez eu precise compreender melhor como eles entendem a oposição "opressor/oprimido" e que implicações isso tem no seu modo de pensar.

É verdade, porém, que cada vez menos simpatizo com eles -- que foram, ironicamente, o modo através do qual eu passei a me interessar por "política" desde o começo. Seus argumentos parecem frequentemente "superficiais", e a qualquer pergunta (normalmente bem leiga -- porque eu realmente estou curioso) sobre eles normalmente o adjetivo "coxinha" se me é disparado.

Talvez eles fizessem mais sucesso se pelo menos se esforçassem um mínimo pra conversar v_V

R$

Nenhum comentário:

Postar um comentário