27 de dez de 2012

Politicagens

Eu sei eu sei... esse blog andou parado um bom tempo ultimamente. A verdade é que ando meio atordoado (e revoltadamente desmotivado) com o assunto do meu TCC e com as coisas que tenho que resolver antes do dia 7 de janeiro, quando a minha implementação PRECISA estar terminada.

Na falta de vontade de fazer as coisas relacionadas à computação, passo os meus dias (ou as minhas noites, já que tenho invertido os meus horários e agora ido dormir às ~8h pra acordar às ~17h -- ee, diga-se de passagem, isso tem me ajudado a manter-me bem focado no que quer que eu faça) lendo wikipedia, lendo e-mails, e coisas tais.

Li bastante sobre lingüística, como era de se esperar... eee, bem, pretendo fazer uma postagem sobre o assunto; mas esse post não é sobre isso, mas sobre uns links que andei encontrando aqui e ali e que acho interessante que sejam compartilhados.

O primeiro deles é sobre DRM. Eu sei: é um assunto velho. Mas vale a pena voltar a atenção a ele denovo. A moral é que eu nunca tinha achado esse site -- apesar de já ter sobre ele ouvido falar -- e agora, por muito acaso, acabei cruzando o seu caminho.

O segundo é sobre a Amazon (eu não gosto do Richard Stallman, mas, aaa, esse link até que vale -- como sempre, ad hominen não conta v_V). Aos poucos eu vou percebendo o quanto eu não gosto da Amazon e o quanto ela ter chegado ao Brasil me incomoda. A Amazon é um câncer, uma abominação; mas não significa que não ponderaria comprar dela se o seu preço estivesse baixo o suficiente. Mesmo assim, a "venda" de livros eletrônicos (o único comércio de que a Amazon decidiu tomar parte aqui no Brasil) praticada por ela é suja e malevolente. Esse link dá uma idéia do que eu quero dizer.

O terceiro é sobre o Nióbio brasileiro. Na verdade é uma série de links. A moral é que aquilo que tem circulado na internet sobre o Brasil ser o maior produtor mundial de Nióbio é a mais pura verdade. E sobre ele ser vendido a preço de banana, não é dúvida nenhuma. É um absurdo! Mas quando a gente fala sobre isso, todo mundo fica de conversinha reclamando do Brasil. Temos mais é que fazer uma mobilização nacional, alguma petição pública, alguma pressão política, levar isso à TV, aos radios, alguma coisa. Isso precisa parar!


Por fim, o quarto link é sobre o Marco Civil:




O leitor dirá "mas quanta politicagem". A moral é que a gente não pode deixar que grandes empresas tomem conta da nossa vida, da nossa economia, dos nossos recursos. É necessária a conscientização... e muito mais que isso: a ação nossa através de mobilização política.

Enfim... esse é só um resumo das minhas ilusões de fim de ano T___T

R$

4 comentários:

  1. Quando comprei um Kindle, comprei usado de um cara no MercadoLivre, justamente para não dar dinheiro para a Amazon. Não compraria de loja, independente do preço. Não registrei o dispositivo, não compro nada da lojinha da Amazon, e matei os updates automáticos por via das dúvidas (embora eu ache que eles não ocorram se o dispositivo não está registrado). Eu não ia com a cara da Amazon pela questão do DRM e as remoções remotas, mas pelo visto eles são muito piores do que eu pensava...

    Chato é que existe um leitor de e-book da Positivo, mas é mais caro que os outros... :-/

    ResponderExcluir
  2. Eu tenho um amigo que tem o da Positivo. De acordo com ele, quando comprou, custou R$800,00. Ele o adora. Mas, sim, se eu tivesse um certamente viveria de pirataria =)

    ResponderExcluir
  3. O Kindle que eu comprei usado saiu por R$ 250. Um pouco mais barato... :P

    E na verdade até agora os únicos livros que eu tenho nele são um manual sob a GFDL e um livro do Project Gutenberg, então tecnicamente não pirateei nada (embora isso seja uma só questão de tempo)... :P

    ResponderExcluir
  4. HEUAHEUHAUEHA... sim sim. Eu não pagaria R$800 nem a pau. Só quis comentar n_n

    ResponderExcluir