19 de mar de 2011

Sobre ler...

Na imagem, um livro que aprendi a gostar de ler. Infelizmente, faz um bom tempinho que não tiro um momento para apreciar suas sábias palavras n_n


Estava pensando: como eu tenho lido!

De vez em quando, me paro a pensar na quantidade absurda de coisas que eu tenho pra ler e que tenho lido. Leio livros por diversão, leio textos pra faculdade, leio blogs onde me descontraio com assuntos de que não preciso pra viver, leio os meus textos - quando escrevo-os -, para ter certeza de que não cometi nenhum erro grosseiro de escrita, leio livros porque decidi que quero aprender sobre o assunto de que eles tratam, leio e-mails e leio artigos para a "bolsa", além das buzzadas de TODOS aqueles a quem eu sigo.

Quando eu era criança, detestava ler. Achava cansativíssimo, chato, coisa de gente que queria se aparecer. Lembro até que na minha sétima série minha prima me obrigou a, durante as férias, ler um livro do Arquivo X que ela me fez tirar na biblioteca da UNISINOS (ela trabalhava lá e eu fui passar uns dias na casa dela). Em 3 dias eu li um livro de quase 100 páginas. Fiquei até orgulhoso, no fim das contas, apesar do trabalho que deu.

Depois de um tempo, algumas vezes me aventurei a pegar livros e tentar ler, normalmente parando logo no meio do livro. Lembro que em 2004, quando fomos pra casa dessa minha mesma prima, em Salvador, eu li o Senhor dos Anéis - A Sociedade do Anel. Demorei UM HORROR pra ler o livro, e lia frequentemente enquanto com sono, o que me impediu em muito de entender algumas coisas que eram realmente importantes no livro.

Quando teve o terceiro ano e os vestibulares (até logo antes de entrar pra UFRGS), eu já até lia um pouquinho mais. Mas ainda era pouco demais. Das leituras obrigatórias - convenhamos, os livros do Machado de Assis são fantásticos[!!!], apesar de eu só reconhecer isso hoje -, li só "três": Quincas Borba, Os Ratos (e nem li até o fim) e alguns contos do Primeiras Histórias.

Com a chegada na faculdade, tudo mudou. Tive de ler, no primeiro semestre, vários capítulos do How to Design Programs, para aprender Scheme mais direitinho. E também tinha os livros de Cálculo I e II, que eram gigantescos, e dos quais me obriguei (principalmente em Cálculo II, já que a professora era um lixo) a ler vários capítulos. Dali pra frente, posso dizer com certeza que muito da minha vida "de leitura" mudou bastante, inclusive pela inclusão de textos grandes em inglês pra ler - até então, apesar de ler coisas aqui e ali, nunca lia nada como um livro em inglês, ou vários capítulos de um.

Infelizmente, boa parte da minha leitura (e-mails, blogs, notícias e até mesmo às vezes alguns artigos "da falsamente chamada ciência") apresenta até que com uma certa frequência alguns erros. No inglês admito que até que é mais difícil - principalmente pela minha inexperiência e pela minha facilidade em aceitar que talvez aquele possa ser um jeito de dizer aquilo que se quer que eu ainda não conheço -, mas no português é incrível a facilidade que tenho em listar erros e mais erros gritantes nas minhas leituras. Não que eu seja o cara mais polido do mundo ou que eu seja o cara que define os caminhos pelos quais a minha língua deve andar (eu até mesmo digo "truce" - do verbo trazer), mas admito que às vezes sinto falta de um "respeito" maior à minha língua materna.

Tenho andado cansado de tanto ler, e tenho tido até certa dificuldade pra focar em objetos distantes em alguns momentos (e atribuo isso às minhas leituras às vezes quase ininterrompíveis). Hoje mesmo, enquanto assistindo à TV, não conseguia focar perfeitamente nas letras que apareciam na imagem, tendo até mesmo perguntado aos meus parentes se a imagem estava embaçada.

De qualquer forma, estou em início de semestre, e a tendência é que a quantidade de leitura só aumente, o que não é de todo ruim: cada vez mais eu gosto desse eu leitor em que estou me transformando u.u

Era isso...

R$

Nenhum comentário:

Postar um comentário