28 de fev de 2011

Guaíba

Hoje quero falar de Guaíba. O motivo ficará claro mais adiante.

Ao fundo, o Morro da Hidráulica (muita gente nem sabe que esse morro tem nome). Em foreground, o Caisinho (aquele quiosquezinho ali à direita) e, logo à frente dele, o trapiche.

Guaíba é uma cidade relativamente pequena, de em torno de 100k habitantes, onde vivi desde que me conheço por gente, apesar de não abrir mão da minha real naturalidade, portoalegrense. É uma cidade bonitinha, não no sentido de "feio bem arrumado", mas no sentido de que, apesar de pequena, não dá pra dizer que seja feia.

Como principal atividade econômica, devo destacar a indústria de papel. Guaíba, antigamente, se autodenominava "berço de Revolução Farroupilha". Como foi daqui que o pessoal do Gomes Jardim (esse morava aqui) saiu , no dia 19 de setembro de 1835, para tomar Porto Alegre, a cidade se considerava importante nesse sentido. Bento Gonçalves até mesmo morreu aqui. Mas isso meio que aos poucos foi deixando de ter importância (eu diria que a população se viu frustrada ao não citarem em momento algum o nome "Pedras Brancas" em "A casa das Sete Mulheres" - aliás... foi o que eu ouvi: não assisti à série, de qualquer forma u.u) e o que prevaleceu foi "o fedor do progresso", como falam os mais velhos do cheiro forte que vinha das grandes empresas de papel que "tomaram" a cidade. Em especial, destaco a Celupa, a Sulfato e, obviamente, a "Celulose Riograndense". Essa última teve muitos nomes: Borregar, Riocell, Klabin Riocell, Klabin, Aracruz, Phibia e, por fim, Celulose Riograndense. Foi a responsável pela poluição da nossa orla, até onde sei.

Antigamente, tinha deputado que tinha casa aqui na praia da Alegria (que, separado pelo Guaíba - rio que dá nome à cidade -, fica do outro lado da Tristeza, o bairro de Porto Alegre), ou mesmo na Florida (bairro ao lado da Alegria). Os dois bairros eram bairros de rico, com casarões e tudo mais. O tempo passou, a Borregar veio pra cá, e hoje parece que a coisa não é mais assim (eu ao menos tenho medo de andar na Florida e Alegria, em quase qualquer horário do dia D=): o dejeto da indústria ía diretamente para as praias (ficava ao lado) e a poluição tomou conta do rio. Aliás, era aqui que ía se instalar a Ford, nos tempos do Olívio Dutra. Mas felizmente (sinceramente) ele teve personalidade e mandou a Ford embora para Camaçari (na região metropolitana de Salvador), já que ela exigia muitos incentivos fiscais do estado (sério, malditos incentivos fiscais esses: o estado gasta horrores só pra pagar essas bobagens pras empresas ficarem dando empreguinhos baixos para o povo de baixa escolaridade ¬¬). No lugar da Ford, o Rigotto conseguiu colocar um depósito da Toyota, e desde então se tenta trazer a fábrica da Toyota junto, sem sucesso. Até onde se sabe, 5 ou 6 novas indústrias devem se instalar no lugar nos próximos anos - ao menos foi o que jornal local publicou no fim do ano passado sobre aquela região que um dia já foi destinada à Ford.

Guaíba tem uma fortíssima escola de canoagem (no Pan 2007 teve um campeão panamericano que saiu daqui) à beira do Guaíba. Também, Guaíba tem alguns sérios problemas sociais. Em 2009, "fomos" a cidade com o maior número de mortes por assassinato no estado, tendo ultrapassado inclusive Canoas e Alvorada. Tanto é que de vez em quando a cidade aparece nos noticiários da RBS por causa de algum crime dito "chocante" pelo seu sensacionalismo jornalístico. Bairros como Nova Guaíba, São Francisco e São Jorge são nomes conhecidos na cidade pela sua insegurança - apesar de provavelmente ter muita gente que adore morar lá.

Igreja Católica de Guaíba. Não sou católico, mas acho a igreja bem bonitinha pra cidade, e pertinho dela fica a casa do Gomes Jardim







------ a partir daqui, começa o meu devaneio u.u ------

De uns tempos pra cá, apesar da passagem para Porto Alegre significativamente alta, tenho tido uma impressão bastante boa sobre a cidade. Não sei se é coisa minha só, mas acho que não, sinceramente. Para citar coisas feitas pela prefeitura para "aumentar a qualidade de vida da comunidade", a orla do Guaíba no centro foi restaurada e o trapiche (ou o "pier", como o pessoal gosta de chamar), que antes era lugar de o pessoal menos familiarizado com a lei usar de seus entorpecentes ilegais, agora está relativamente bem iluminado. Durante o Natal, a prefeitura (esse é o primeiro mandato do prefeito Henrique Tavares, que foi vice-prefeito nos últimos dois mandatos e que dá seguimento ao antigo governo, o qual eu até que aprovo) montou um palco bem melhor do que o que sempre montava e aconteceram várias apresentações na "Praça da Juventude", uma praça que fica bem na beira do Guaíba (o rio).

Foi numa apresentação dessas que comecei a ter essa boa impressão sobre a cidade. Dessa vez a cidade estava muitíssimo melhor enfeitada, na minha opinião, e, modéstia a parte, a nossa cantata de Natal ficou ótima (depois da apresentação eu fui à casa de uma amiga - tinha uma pseudo-festa lá - e não me cansei de repetir o quanto eu estava satisfeito com a apresentação). Aliás, a igreja de que faço parte "plays an important role" nessa minha visão de melhora da cidade. Não bem a igreja, pra falar a verdade, mas dois departamentos em especial dela. Temos um departamento de música bastante bem elaborado, que tem crescido, eu diria, exponencialmente, nos últimos dez anos. Não no quesito dinheiro, coisa que o departamento, coitado, tem pouco para realizar suas iniciativas (eu sei porque conheço muito bem as pessoas que coordenam o departamento e tudo mais); mas no quesito qualidade: cada vez mais a escola de música desse departamento estende seus braços pelos bairros da cidade, ensinando música para quem quiser aprender, inclusive pessoas que não são da igreja (não que isso dê pontos a mais para a escola, mas ao menos não dá pontos a menos). O "nível" dos músicos tem melhorado, e aqueles que realmente resolvem que querem isso pra o futuro inclusive estudam em algum lugar "renomado", como a UFRGS ou a OSPA. Enfim... o departamento de música leva a música para a cidade através de apresentações feitas ao ar livre e em desfiles, e acho que não tem um cidadão guaibense que ainda não tenha ouvido a nossa banda em algum momento de sua vida.

O outro departamento do qual eu resolvi falar - que acho que tem um papel interessante por aqui - é o departamento que trata com os surdos, que chamamos "vulgarmente" de "o LIBRAS" (LIBRAS é a Língua Brasileira de Sinais - sim, eu disse LÍNGUA, e não LINGUAGEM, porque é o que a LIBRAS é). Na cidade inteira, até onde sei, só existia um lugar, uma escola, que tinha qualquer trabalho (muito pouco desenvolvido, diga-se de passagem) com surdos. Como houve a necessidade de se criar um departamento relacioinado a isso (longa história, que não devo contar, mas que é bem bonita, triste, mas alegre, ao mesmo tempo, na minha opinião), hoje a igreja é o maior "centro" relacionado ao assunto na cidade, com 3 intérpretes em especial que realmente "fazem a diferença", na minha opinião (uma dessas pessoas se dá ao trabalho de vir de Canoas para ajudar toda semana aqui em Guaíba, nos fins de semana, com os surdos).

Enfim... parando de falar da igreja (não é ela o assunto central da minha postagem), outra coisa me faz ter uma impressão boa da cidade. Não sei se é só no meio onde vivo, aqui, mas cada vez mais vejo gente "se fazendo", conseguindo aquilo que quer, estudando, melhorando de vida. Dentro da cidade, por exemplo, temos alguns poucos cursos técnicos: o Solon Taveres, escola técnica que fica ao lado da UERGS (essa última já acho que "fechou": o curso de Engenharia em Sistemas Digitais, que existia ali - o único do pólo -, parece ter sido extinto há alguns anos), tem três cursos técnicos até que "de qualidade", eu diria, no sentido de que quem sai dali ao menos pode-se dizer que sai pronto pra ter uma relação relativamente boa com o "mercado de trabalho" (na minha opinião, o grande alvo dos estudantes de cursos técnicos, no fim das contas). Temos também os cursos de administração e de "celulose e papel" (acho que é esse o nome) na escola Gomes Jardim, além daqueles que resolvem dar um pulinho ali em PoA e fazer os cursos do SENAI, que fica logo ao lado da ponte, bem pertinho, pra falar a verdade, para quem quer estudar demanhã na escola e fazer o técnico detarde. Fora, é claro, aqueles que resolvem pagar e fazer sua formação nessas QI da vida - nada contra, mas prefiro aquilo que seja público, fique bem claro. Enfim... grande parte dos estudantes do ensino médio das escolas da cidade faz algum desses cursos mencionados junto com o ensino médio.


Vista da cidade a partir do trapiche. A esquerda, o prédio mais alto da cidade, o The Winner, com seus magníficos 9 andares =D

Continuando com o "melhorando de vida", vejo muita gente (sério, MUITA) tentando e passando na UFRGS, por exemplo. Não sei se isso já era comum antes, mas lembro que quando eu estava na escola ouvia falar da UFRGS como se fosse "um ponto inalcançável onde somente aqueles com melhores estudos [alguns diriam "capacidades", na época] chegam". Não sei se ainda posso dizer isso, já que fico sabendo cada vez de mais gente estudando ali (não que o nível da UFRGS tenha baixado - talvez até tenha, na minha opinião, por causa das cotas, um pouco, sinceramente -, mas que os estudos dessa gente tenha melhorado). Vejo meus amigos, que hoje são intérpretes (normalmente quando eu usar essa palavra, fique claro que estou falando de LIBRAS) na ULBRA Canoas, estudando e chegando longe. Uma amiga em especial está fazendo Letras LIBRAS na UFRGS (só para dar o exemplo). Vejo amigo saindo do estado e indo estudar música fora, para depois voltar, e logo ir denovo embora - e espero que logo volte. Vejo gente terminando a graduação e fazendo concurso pra ficar mamando nas tetas do estado. E gente terminando a graduação mas sem motivos pra se preocupar porque há anos já estava num emprego determinado do qual deve somente sair ao se aposentar (ou morrer, ou não).

É claro que vejo gente "assim pensando, e assim pensando o tempo passa, e a gente vai ficando pra trás", e claro que isso não vai deixar de ter. Consigo pensar facilmente em muitos que conheço que ficaram parados, estagnados. Mas não consigo pensar em muita gente que tenha piorado (aliás, não consigo pensar em pessoa alguma, sinceramente, no momento).

Aliás, é aí que tá o objetivo do meu post. E agora? Estava no ônibus esses dias voltando de PoA (como boa cidade dormitório, a população de Guaíba suga muito de sua renda de fora, principalmente de Porto Alegre. Eu, apesar de não sugar a renda de lá, tenho certeza de que conheço Porto Alegre melhor que muito portoalegrense) e fiquei pensando que, embora muitos moradores da cidade desfrutem desses bons tempos de Guaíba, me parece que pouquíssimos querem contribuir para a melhora da cidade. Me parece que pouquíssimos estão a fim de "dar de volta à cidade aquilo que a cidade pode nos dar". Me parece que poucos estão dispostos a se dar ao trabalho de fazer alguma coisa para melhorar o lugar onde vivem (sim, porque, como eu disse, Guaíba tem sérios problemas sociais ainda). Aliás, pior que isso, me parece que muitos prefeririam sair daqui o mais rápido possível (assim que tivessem uma oportunidade de viver em algum lugar que lhes trouxesse maior gratificação). Eu, incluso, admito. Pensei nisso e vi que tem muitas coisas acontecendo na cidade. Muitos "projetos sociais". Muitas oportunidades pra fazer alguma coisa boa pela cidade, pelas pessoas, pelo ambiente.

Ao leitor guaibense, fica a minha sugestão: que procure algo o mais rápido possível de que possa participar. Ao leitor ¬(guaibense), espero que a imagem que eu tenha passado de Guaíba não seja extremamente utópica, maravilhosa, ou, talvez, pelo contrário, horrorosa, mas que seja a de uma pequena cidade, bonitinha e interessante de se viver (se bem que quem vem de um centro urbano maior, como Porto Alegre - sinceramente, eu diria melhor: como a zona norte de Porto Alegre -, certamente deve achar a cidade um horror). A mim, esse post serve para lembrar que, apesar de eu achar Guaíba um lugar onde eu definitivamente não quero passar o resto da minha vida, eu cresci nesse lugar e devo dar o devido valor a ele - que, sim, é bem bom, pra falar a verdade.


Era isso........... devaneios a parte... acho que só queria escrever sobre Guaíba =D

R$

3 comentários:

  1. ... gente terminando a graduação e fazendo concurso pra ficar mamando nas tetas do estado ...

    HUEHEUEHUEHUEHUE

    ResponderExcluir
  2. Guaíba não é um rio e sim um lago...vai estudar antes de falar merda!

    ResponderExcluir
  3. @Anônimo
    LOLOLOLOLOLOLOLOL... tem alguém se achando super intelectual aqui, incapaz de perceber sutilezas MÍNIMAS do texto... u.u ¬¬

    ResponderExcluir